O mungunzá era o alimento básico de astecas e incas e, quando descoberto pelos colonizadores, foi levado ao velho continente, tornando-se base alimentar em muitas regiões. No Brasil, assim como nas Américas, teve grande influência nas populações indígenas, principalmente, na nossa cultura alimentar, considerando-se o tripé gastronômico da cozinha brasileira como sendo indígena,  portuguesa e africana. Esta última tendo grande influência nas preparações com o uso do milho.

Os escravos utilizando os ingredientes que lhes eram permitidos como açúcar mascavo, leite de coco e mandioca, variavam as técnicas, e criavam   diversos pratos. Foi justamente das preparações e técnicas mescladas pelos escravos, índios e portugueses, que surgiu uma culinária própria de São João. Talvez as fogueiras nas aldeias e o ato de assar o milho na brasa, estejam até hoje sendo replicados por povos e gerações. O índio sabia muito bem que se plantasse o milho em março, teria a colheita em junho, coincidindo com as festividades religiosas de São João e São Pedro.

As várias preparações feitas por escravos, resultaram no angu, canjica, mungunzá, pamonha, cuscuz, polenta, bolos e pães.

O mungunzá vem do africano mu’kunza (milho cozido); o prato era servido, na tradição religiosa africana, a pessoas que passavam a noite velando seus mortos. Essa sopa doce é feita de milho branco cozido na água, leite de coco, açúcar, erva-doce, canela ou cravo. Já a canjica vem de acanjic, (para os índios, grão cozido) uma pasta que portugueses e escravos melhoraram com o acréscimo de leite de coco, ou leite de vaca, açúcar, sal e manteiga. A pamonha veio da pamuña (papa grossa) de origem indígena. Mas os negros transformaram esse mingau sem graça e grosso, na pamonha que conhecemos hoje, colocando leite de coco, açúcar e sal. Cozinhavam esse creme grosso em folhas de bananeiras, depois substituídas pela própria palha do milho.

Daí o mungunzá ser uma preparação muito comum na época junina, com um sabor doce e equilibrado. Com junho se aproximando achei oportuno oferecer uma receita com milho, só que de forma salgada, mesclando elementos do mar e do sertão.

Vamos à receita?

MUNGUNZÁ CAIÇARA

COZINHA: REGIONAL PARAIBANA

RENDIMENTO:  10 PORÇÕES (150g)

Ingredientes:

  • 500g de milho para mungunzá
  • 01 paio
  • 50ml de vinho branco seco
  • 400g de bacalhau dessalgado
  • 250g de filé de camarão
  • 01 litro de leite de coco
  • 01 pimentão amarelo
  • 01 pimentão vermelho
  • 01 cebola grande
  • 02 dentes de alho
  • 60ml de azeite de oliva
  • 01 maço de coentro
  • 01 maço de hortelã
  • 02 folhas de louro
  • ½ colher de chá de açafrão da terra
  • Sal e pimenta do reino

Utensílios:

  • 01 panela de pressão de 4,5 litros
  • 01 panela de barro
  • 01 frigideira grande
  • 03 tigelas de alumínio
  • 10 recipientes de barro para servir

Modo de preparo:

Comece pondo o milho na água, por 12 horas. Depois desse processo, ponha-o para cozinhar, na panela de pressão, por uns 30 minutos, com um pouco de sal e folhas de louro. Tire a pressão da panela e coloque o paio inteiro na panela de pressão, voltando ao fogo baixo por mais 15 minutos. Reserve. Nesse momento, tempere os camarões com sal e pimenta do reino. Reserve.

Numa frigideira refogue no azeite o alho, a cebola eo açafrão da terra. Coloque o vinho branco seco e deixe evaporar todo o álcool, em seguida coloque os pimentões e o paio picado que ficou na panela de pressão, deixando refogar por 5 minutos, quando perceber que os pimentões murcharam coloque o bacalhau desfiado e dessalgado e os camarões. Corrija o sal se necessário.

Passe todo o milho cozido para uma panela de barro e coloque o leite de coco. Corrija o sal e a pimenta do reino, deixando cozinhar por mais 10 minutos. Em seguida, coloque todo o conteúdo do refogado na panela de barro e finalize com coentro e hortelã picada. Sirva quente, em recipientes de barro, guarnecidos com torradas.

Comentários

Facebook Comments Plugin Powered byVivacity Infotech Pvt. Ltd.

Chef Adilson Santana
Últimos posts por Chef Adilson Santana (exibir todos)